A utopia da modernidade: Ouro Preto, Belo Horizonte, Brasília

Maria Zilda Ferreira Cury

"De quantas cidades se faz a cidade e de quantas maneiras se pode apreendê-la? Como apreender o imaginário de Ouro Preto, Brasília ou Belo Horizonte?" Maria Zilda Ferreira Cury trabalha com as identidades construídas para as três cidades que, segundo ela, foram centros do país em tempos e conceitos diversos. Ouro Preto, como núcleo da sociedade escravocrata do Brasil colonial. Brasília como foco de um projeto de modernidade e futuro das décadas de 50 e 60 no país. Por fim, Belo Horizonte vista como uma mediação entre o arcaico e o futuro da igualdade democrática que não se realizou.