Gislene Maria Barral Lima Felipe da Silva

 

Doutora em Literatura e Práticas Sociais, pela Universidade de Brasília (2008), com a tese Olhando sobre o muro: representações de loucos na literatura brasileira contemporânea. Professora aposentada da Secretaria de Educação do Distrito Federal, onde atuou com formação continuada de professores na Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação (EAPE). Foi professora do curso de pós-graduação em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira da Universidade Estadual de Goiás (Unidade Formosa) e de diferentes disciplinas na Faculdade Projeção Guará. É revisora e tradutora de textos em língua inglesa e espanhola na empresa Gislene Barral Editoria, Revisões e Traduções. Possui diversas publicações em capítulos de livros e em periódicos científicos.

Contato: gislenebarral@felipedasilva.com.br 

Currículo Lattes
 

Textos

Olhando sobre o muro: representações de loucos na literatura brasileira contemporânea 


Stela do Patrocínio e autorrepresentação: uma poética da loucura

À sombra de um riso amargo: a utopia vencida em O exército de um homem só, de Moacyr Scliar
 

A festa no castelo: uma experiência literária periférica em tempos de ditadura militar ou o perigoso jogo da literatura
 

O “falatório” de Stela do Patrocínio: a palavra como resistência ou a linguagem marginal da loucura

Era uma vez um homem e o seu tempo: aspectos técnicos e estéticos na lírica de Belchior 

 

O desespero contemporâneo em Extensão do domínio da luta, de Michel Houellebecq
 

A morte e o apagamento do sujeito na sociedade de massa
 

A experiência literária da loucura em Lima Barreto

Literatura, loucura e autoria feminina: Maura Lopes Cançado em sua autorrepresentação da escritora louca 
 

Fronteiras: correspondências entre espaços físicos e psicológicos liminares em O exército de um homem só, de Moacyr Scliar, e Armadilha para Lamartine, de Carlos & Carlos Sussekind
 

Loucura, mulher e representação: fronteiras da linguagem em Maura Lopes Cançado e Stela do Patrocínio

Vozes da loucura, ecos na literatura

Representações da loucura em Autran Dourado

Personagem da insanidade, imagens da alteridade: representações da loucura em “A doida”, de Carlos Drummond de Andrade

Sonhos roubados de umas meninas da esquina: traduções intersemióticas ou dialogismo intertextual entre literatura e cinema brasileiros