Lúcia Osana Zolin

 

É professora associada da Universidade Estadual de Maringá. Coordena o grupo de pesquisa Literatura de autoria feminina brasileira (LAFEB), e é editora associada da Revista Acta scientiarum – language and culture. Publicou os livros Teoria literária: abordagens estéticas e tendências contemporâneas (organização com Thomas Bonnici; Eduem); Desconstruindo a opressão: a imagem da mulher em A república dos sonhos, de Nélida Piñon (Eduem); Deslocamentos da escritora brasileira (organizaçãoo com Carlos Magno Gomes; Eduem).


Contato: luciazolin@yahoo.com.br
 

Grupo de pesquisa LAFEB 

 

Currículo Lattes
 

Projetos de pesquisa

Literatura de autoria feminina contemporânea: escolhas inclusivas?
Este projeto tem como preocupação central investigar e debater uma das mais recorrentes questões que, no âmbito dos estudos de gênero, tem permeado as discussões relacionadas à literatura de autoria feminina. Trata-se de perscrutar as escolhas que escritoras brasileiras contemporâneas fazem ao engendrar seus textos ficcionais, visando descobrir se se tratam, ou não, de escolhas inclusivas, no sentido de trazer para a cena literária segmentos sociais marginalizados e/ou de minorias. Consequentemente, a pesquisa toma como um problema a ser resolvido o reconhecimento de possíveis constantes e/ou especificidades dessa produção literária. É o que queremos investigar a partir de um corpus de, aproximadamente, vinte romances publicados no Brasil, a partir do ano 2000, aos quais poderão se juntar outros no decorrer da pesquisa.


Servem de contraponto para essa nossa investigação os resultados de uma pesquisa de grande fôlego sobre a personagem no romance brasileiro contemporâneo, publicado pelas três principais editoras do Brasil (Rocco, Record e Companhia das Letras), coordenado pela pesquisadora da UNB/CNPq Regina Dalcastagnè (2007). Segundo a pesquisadora, no romance brasileiro contemporâneo, escrito por aqueles que possuem legitimidade para produzirem literatura – os homens brancos, cultos, de classe média, oriundos dos grandes centros –, estão ausentes os negros, os pobres, os velhos, os homossexuais, os deficientes físicos e até as mulheres; as chances desses grupos terem voz ali são ainda mais reduzidas: “os lugares de fala no interior da narrativa também são monopolizados pelos homens brancos, sem deficiências, adultos, heterossexuais, urbanos de classe média...” (p. 2) 


Tendo isso em vista, nossa hipótese é a de que as escritoras brasileiras contemporâneas, nem sempre presentes nos catálogos dessas grandes editoras, promovem constantes deslocamentos no que se refere ao universo comumente representado nos títulos que aí se encontram. Nesse sentido, pretende-se perscrutar quais as notas dominantes do universo que representam, quem são as personagens que o constituem, seu sexo, sua cor, sua orientação sexual, a classe social a que pertencem, as intrigas que vivenciam, etc.; por outro viés, há que se indagar, também,  acerca das temáticas dominantes desses textos, assim como acerca dos recursos estéticos de que lançam mão. 
 

Há que se salientar que, nessa empreitada, os conceitos de perspectiva social e de representação, construídos por diversos teóricos contemporâneos, convertem-se em importantes aportes teóricos.

 

A personagem na literatura de autoria feminina paranaense contemporânea

Projeto financiado pela Fundação Araucária

O presente projeto inscreve-se no âmbito dos estudos de gênero e tem por objetivo central fazer um estudo acerca da personagem que compõe a prosa de ficção contemporânea (publicada a partir dos anos 1970), de autoria feminina, no Paraná. Trata-se, a rigor, de um levantamento que busca responder à seguinte pergunta: qual é o perfil, ou quais são os perfis, mais recorrente(s), da personagem que constitui a ficção paranaense escrita por mulheres? Quais suas características? Sua posição social, sua idade, sua raça, sua etnia, sua religião, seu sexo, sua orientação sexual? Quais as relações que estabelecem entre si? O objetivo central é a constituição de um banco de dados a ser disponibilizado com vistas a pesquisas futuras mais específicas, como aquelas preocupadas com o acesso à voz e com a representação de grupos sociais diversos, não raro, marginalizados. Busca-se, sobretudo, mapear o modo como a mulher é representada pela própria mulher em sua ficção para, posteriormente, investigar possíveis relações entre tal representação, sua realidade social e as políticas feministas contemporâneas. Importa salientar que esta pesquisa consiste em um desdobramento de uma outra, ainda em andamento, com o apoio do CNPq, preocupada em promover o levantamento de toda a produção literária de autoria feminina no Paraná, até então, ausente do cenário da História da Literatura Brasileira.

 

Textos

O matador, de Patrícia Melo: gênero e representação

 

A literatura de autoria feminina brasileira no contexto da pós-modernidade

 

Questões de gênero e de representação na contemporaneidade