Maria Isabel Edom Pires

 

É professora de Literatura Brasileira na Universidade de Brasília. Realiza pesquisa sobre o tema da imigração na literatura brasileira contemporânea. Atualmente, desenvolve um projeto voltado para a os artefatos, a experiência e a escrita da exogenia em parceria com o Prof. José Leonardo Tonus. Organizou o livro Forma e dilemas da representação da literatura, pela Editora da Universidade de Brasília.


Contato: isabel@unb.br 
 

Currículo Lattes
 

Projetos de pesquisa

Experiência, escrita e artefatos da exogenia
O projeto contempla o estudo de obras literárias cujos escritores, narradores e/ou personagens encontram-se em situação de deslocamento (emigrantes, clandestinos, viajantes, expatriados), propondo uma reflexão acerca do confronto com o espaço não-nacional. De um lado aborda-se a literatura diaspórica, a literatura migrante, a literatura brazuca, pensando em conceitos como disglossia ou bilingüismo, por exemplo. De outro lado, atenta-se para o movimento das personagens na literatura contemporânea, a fim de pensar sobre as estratégias narrativas e escolhas estéticas que empregam os escritores para falar de uma experiência tão antiga e ao mesmo tempo tão cotidianamente do nosso século XXI. Intenta-se problematizar paradigmas teóricos e críticos ancorados estritamente em contornos nacionais. Projeto em conjunto com o Prof. Dr. José Leonardo Tonus.

 

Inventário da viagem: a narrativa brasileira contemporânea e a imigração
O projeto dá continuidade ao trabalho anterior, realizado em Narrativas de e sobre migrações -, enfatizando a narrativa brasileira publicada a partir dos anos 1980, que trata da imigração. Procura-se investigar as narrativas contemporâneas que encenem tanto as  representações dos fluxos migratórios clássicos, como dos  deslocamentos não-tutelados, em que os personagens aportam como  outsiders. Se, como afirma o teórico Edward Said, o século XX, é a era  do refugiado, do deslocado, do imigrante em massa, pode-se perguntar  com quais acepções e recursos a literatura e o cinema abordam  categorias como territorialidade e desterritorialização no seu diálogo com as Ciências Sociais.